25.9.08

golpe de sorte

se nos apercebermos do que determinados povos tomam por razoável, enquanto escolha para os dirigir e olhando para um lado, para outro ou para outro, mais agradeço ao golpe de sorte que tive, ao nascer na europa ocidental.
por vezes, fico até algo desconcertado com o deslumbramento, admiração e reverência, com que se olham outras sociedades e culturas, milenares, nomeadamente do médio oriente, extremo oriente e (menos) àfrica, quando no seu desenvolvimento social, nunca houve abertura aos, esses sim, revolucionàrios conceitos de democracia, liberdade e igualdade. e já passaram mais de dois séculos desde a revolução francesa. não hà desenvolvimento humano na sua plenitude, sem essa base.
por isso, tenho pouca vontade de me deslumbrar com a china, com a indonésia, com a birmânia, com o paquistão, com o iemén, com a arábia saudita, com cuba e por aí fora, independentemente das nuances geográfico-paisagísticas ou das suas fantásticas realizações humanas.

2 comentários:

S Guadalupe disse...

Lembra que neste momento aos anos 80 foram há quase 30 anos. Para quem tinha a nossa idade em 80, a II guerra tinha sido há outros tantos.

É muito pouco tempo de democracia na Europa... Ainda há 20 e qualquer coisa havia ditaduras na Europa Ocidental. A Europa de leste é o que é... e o que foi... e é Europa.

Foi um golpe de sorte geodemográfico e temporal...

Mas não vejo as coisas tanto assim. Deve haver sistemas sociais em que os valores que revelam a maior dignidade do ser humano possam expressar-se sem ninguém querer esmagar ninguém. Acredito em utopias, ainda... Não necessariamente aquelas em que outros acreditam. Não a tenho formatado... nem quero!

Mas essas cenas que aí mostras são... enfim... no comment

Xá Verde disse...

Mal fora se te deslumbrasses... Com uma pesquisa direccionada, acho que encontras videos igualmente curiosos na nossa Europa Ocidental. Berço das democracias, como do Haider, do Le Pen, do Hitler ou do Berlusconi... Para mim, a única coisa minimamente entusiasmante na China de hoje é perceber que, para milhões de seres humanos - em tese, pelo menos - a oportunidade da democracia está mesmo aí a chegar, se a souberem criar e aproveitar. E com a suprema vantagem de poder aprender com os erros da nossa. Infelizmente,depois do que por lá vi, de facto, temo que não...